domingo, 10 de julho de 2011

O primeiro passo

O primeiro passo é algo terrível de executar. Primeiro, por que implica um movimento que se espera que seja contínuo, pela força que você reuniu na iniciativa de seguir em frente, segundo por que você não sabe o que pode encontrar pelo caminho, e se isso poderá atrapalhar ou não o seu percurso. Tem sido assim na cabeça de todos nós. "Segunda eu começo aquela dieta", "amanhã eu volto a correr", "eu vou entrar nesta loja, vou passar por aquela camisa e não vou comprá-la", e etc, etc, etc.

O lado bom disso tudo? Coisas ruins dividem o espaço ocupado no percurso com coisa boas. Que podem te acelerar e te impulsionar para um andar que você imaginava longe.

"Mas dar o primeiro passo dá uma preguiiiiiça..." Principalmente se tivemos de dar uma pausa no movimento. O que fazer? Tentar assim mesmo. Esta força extra que se esconde dentro de nós, e que muitas vezes esquecemos de sua existência é o que nos faz seguir adiante. É uma força que não pode vir de fora. É ela quem está naquele ditado "Não adianta ajudar quem não se ajuda".

Esta força interior é o "se ajudar", que complementa a força do auxílio externo. Sem essa força interior, sem este esforço, ninguém supera a preguiça, a mágoa, a depressão, a procrastinação, a desanimação. Permitir que esta força atue sobre nós é o mesmo que tentar levantar peso sem nunca termos frequentado aulas de musculação. É pesado, é tedioso e leva tempo para efetuar um movimento que é aparentemente simples. Mas esta sensação desaparece e com o tempo deixamos de perceber a presença deste esforço como algo à parte, sabe por quê?

Por que nós somos esta força. Sempre fomos. Só precisamos lembrar disso de vez em quando.

-Dedicado à todos como eu, que por estarem exauridos com os compromissos da vida, às vezes sentimos que a fonte está seca. Ela só secará se nós permitimos.

P.S.: Como é bom voltar a escrever depois destas semanas tão intensas!

Nenhum comentário:

Postar um comentário