sexta-feira, 13 de maio de 2011

Metamorfose britânica ambulante


Falar de música pop é sempre uma via de caminhos tortuosos, com algumas pedrinhas aqui, outros desvios acolá, sem falar nos pedágios impostos sobre o que devemos ouvir ou não, num eterno agendamento midiático organizado pela indústria cultural. Mas convenhamos, quando a música de uma forma honesta e sincera, não tem tendência que venha ditar o que está ou não nos nossos tímpanos.

Esta máxima se aplica à música pop. Uma pequena e monossilábica palavra, composta por três humildes letras, que carregam consigo um estigma enorme: de música exagerada, de fácil apelo, onde nem sempre o talento vocal é requisito para o seu sucesso.

Mas este gênero musical também possui outros predicados. Assim como uma coluna social de um jornal, que é injustamente classificada como fútil, mas esconde nas entrelinhas toda uma conjuntura política, social e econômica de um determinado lugar, a música pop traz em suas partituras todo um contexto social que não passa desapercebido. O comportamento, a moda, expressões verbais, e tudo o mais que move o ser humano passa pelo espectro da música pop.

Talvez seja por isso que grande parte de seus ícones seja fonte frequente de assuntos para discussão na mídia. Seus artistas são fonte de identificação com o grande público, que o ataca nos seus deslizes, mas que também o abraça na sua redenção. Caso este do britânico Robert Peter Williams, mais conhecido como Robbie Williams, com mais de 57 milhões de discos vendidos em todo o mundo.

Williams iniciou sua carreira como integrante de uma das mais bem sucedidas boybands do Reino Unido, a Take That, que dominou as paradas de sucesso e abocanhou diversos prêmios em terras britânicas e européias, não conseguindo o mesmo êxito do outro lado do Atlântico. Mas ainda assim, alcançaram um status tão grande, que quando as Spice Girls surgiram em 1996, elas foram consideradas o "Take That de saias". Ainda assim, a fórmula de rostos bonitos, coreografias e um apelo corporal com alvo nos hormônios de seu público não era nenhuma novidade. Robbie e seus colegas também foram rotulados como "a resposta britânica para os New Kids on the Block", grupo pop que dominou as paradas norte-americanas e mundiais no final dos anos 80.



Como em qualquer equipe, diferenças artísticas e de comportamento podem levá-la a uma bifurcação do caminho: Ou escolhe-se a estrada onde essas diferenças têm como produto novas experimentações, ou então, segue-se pela estrada da incompatibilidade de gênios e a consequente carreira solo.

E foi justamente isso que aconteceu com Robbie Williams, considerado por muitos o desajustado da banda, aquele que não se encaixava na imagem de bom moço que os produtores tentavam vender. Insatisfeito com as constantes brigas entre colegas e a pressão da gravadora, Williams recorreu ao álcool e drogas para suportar o contrato que ainda tinha de cumprir. Mas seus atrasos e faltas a ensaios fizeram por resultar na sua saída da banda, que encerrou as atividades alguns meses após sua partida.

A imprensa britânica, conhecida por sua fome de espetacularização da notícia, armou toda uma cobertura dos processos judiciais e depoimentos pessoais dos envolvidos nas brigas, causando uma comoção dos fãs em torno queda de uma das bandas mais queridas do Reino Unido até então.



Este foi o fator decisivo na carreira de Williams, que se utilizou da cobertura incessante da mídia para conseguir a identificação pelo público a partir de seus dramas pessoais. Nesse meio tempo, ele fez amizade com músicos bastante diversos do gênero que lhe deu o estrelato, sendo visto com integrantes do Oasis, Pet Shop Boys e construindo amizades com ícones ingleses como Elton John e Tom Jones.

Todos estes contatos renderam a Robbie toda uma gama de referências e oportunidades que dificilmente encontraria se tivesse permanecido na fórmula de boybands.

Entre altos e baixos, o artista conseguiu construir uma sólida carreira, obtendo o reconhecimento até mesmo daqueles que não gostam de seu trabalho. Podem até não apreciar a sua música, mas o reconhecem enquanto um artista autêntico de posse de uma consistência que nada tem a ver com o pop de laboratório feito para vender. Esta credibilidade é o seu maior trunfo, o que lhe abriu portas e destruiu muros de preconceito de outros artistas, que passaram a contribuir com parcerias nas letras e na produção de seus discos.



O resultado de sua trajetória pode ser conferido no CD duplo "In and Out of Consciousness - Greatest Hits 1990-2010", lançado no Brasil, no segundo semestre do ano passado. Os dois discos contém várias canções conhecidas do público brasileiro, já que Williams é presença frequente em trilhas sonoras internacionais das novelas da Globo. Ainda assim, não emplacou um hit marcante o suficiente que se tornasse a sua assinatura musical que o ajudasse a ser identificado e sedimentar sua carreira em terras brasileiras. É o típico caso de "Você conhece a música, mas não lembra quem canta."




O som de Robbie Williams absorveu para si elementos do rock e da eletrônica européia dos anos oitenta, passando pelo jazz (Frank Sinatra é uma de suas influências), blues e country, mas sem perder a postura pop que o ajuda a vender discos.

De uma certa forma, o seu amálgama sonoro permite entregar a seus fãs toda uma gama de influências que poderá despertar o interesse dos mesmos pelas influências originais, contribuindo para a perpetuação de gêneros musicais a partir de releituras. É uma relação de troca que beneficia ambas as partes.





Por isso, "In and Out of Consciousness" é uma breve síntese da metamorfose da cultura pop musical do final da década de 90 e da primeira década dos anos 2000, além de funcionar como um belo cartão de visitas para quem nunca se deu a chance de conhecer a divertida obra de Robbie Williams.

Se você não conhece, ou conhece, mas ficou com vontade de ganhar este álbum, Basta participar da nossa promoção!


COMO PARTICIPAR?


1. Responda à seguinte pergunta: Qual o maior hit da carreira de Robbie Williams?

2. Siga a Cajumanga no Twitter e dê RT:

"#musica #Sorteio d Greatest Hits DUPLO do #RobbieWilliams responda a pergunta no site http://bit.ly/mFm4uH, dando RT e seguindo a @cajumanga"

O resultado sai no dia 21 de Maio!

3 comentários:

  1. Qual o maior hit da carreira de Robbie Williams?
    Angel

    Regina Célia
    xfiles322 arroba yahoo.com.br
    @ginamulder
    Sg. GM
    http://twitter.com/#!/ginamulder/status/69842437249572864

    ResponderExcluir
  2. Qual o maior hit da carreira de Robbie Williams?
    Angels

    http://twitter.com/#!/kellythatbr

    kellythatbr Kelly Lopes
    #Angels #Sorteio d Greatest Hits DUPLO do #RobbieWilliams responda a pergunta no site http://bit.ly/mFm4uH, dando RT e seguindo a @cajumanga

    ResponderExcluir
  3. Qual o maior hit da carreira de Robbie Williams?

    Angels

    #Angels #Sorteio d Greatest Hits DUPLO do #RobbieWilliams responda a pergunta no site http://bit.ly/mFm4uH, dando RT e seguindo a @cajumanga

    alinedel05 Aline Delarmelina
    http://twitter.com/alinedel05

    ResponderExcluir