sexta-feira, 29 de abril de 2011

O fim da Cajumanga

Ufa! 

Como é bom poder começar com uma exclamação e falar em primeira pessoa!

Para quem acompanha a Cajumanga há algum tempo, este texto é a última etapa de uma transformação que vem sendo executada aos poucos, durante os últimos quatro meses. Antes com o título de "Revista eletrônica despretensioamente brasileira", o blog tinha a proposta de correr atrás de bons exemplos de iniciativa e inovações no campo artístico, social, educacional e tecnológico do Brasil, sem esquecer o que acontecia no resto do mundo que poderia ser muito bem aproveitado e melhorado pela criatividade do nosso país. Daí a junção desses dois sabores. O caju, cem por cento brasileiro, e a manga, originária da Índia, simbolizando o aspecto cosmopolita a ser abordado.

O pontapé inicial das matérias que estão aqui foi dado há três anos atrás, quando eu estava cursando o primeiro semestre do curso de jornalismo. No segundo semestre de atividade, a Cajumanga conseguiu uma visibilidade tal, que foi convidada a participar do Blogger PE, um encontro articulado pelo jornalista Ivan Maurício, (O Globo, Revista Manchete, Diário de Pernambuco e Jornal do Commercio) que reuniu 40 blogueiros de regiões estratégicas de Pernambuco, para discutir e propor ações que envolvessem a democratização da informação na cultura digital e a sua contribuição nas transformações sociais da região Nordeste do Brasil.

Este encontro do qual tive orgulho de participar contou ainda com a participação do então Secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Fernando Bezerra Coelho, e do governador Eduardo Campos, numa confererência em link direto do Rio de Janeiro, para debater os temas propostos.

Depois disso, foi a vez de talentosos colegas se juntarem à empreitada, para exercitar o que estavam aprendendo em sala de aula. E foi muito divertido. Mas como a Cajumanga era uma atividade à parte e sem ganhos financeiros, eu não podia exigir de todos um comprometimento com a proposta. Assim sendo, continuei assumindo a atividade sozinho por um ano.

Mas tudo tem um limite. Fazer do blog uma tentativa de exposição de minhas criações na área de redação e fotografia estava me exigindo uma dedicação que eu não posso ter com o pouco recurso que disponho. E escrever deixou de ser uma atividade prazerosa para mim, pois no momento em que desenvolvia um texto, eu estava mais preocupado em não sair das regras jornalísticas, do que deixar o texto fluir, simplesmente.

Isso deixou minha escrita sem alma. Sem o diferencial com o qual eu havia conquistado muitas oportunidades anos atrás.

O meu medo de pôr a perder tudo o que eu havia aprendido na universidade foi o que fez a técnica matar o prazer que havia em mim. Eu me sentia vigiado sob os olhos de um editor invisível, que me lembrava que partes eu deveria cortar, que aspectos eu deveria mudar para que o texto se tornasse mais objetivo, e que idéias poderiam ser publicadas, e quando elas poderiam ver a luz do dia.

Esta situação não era sadia, já que eu não possuo um editor, por não ter conseguido entrar em nenhum veículo (por enquanto). A lógica (e o legal) de um blog é justamente a liberdade e o espaço que o profissional não encontra em nenhuma redação de jornal ou revista. Geralmente são esses lugares, além da universidade, que puxam as nossas orelhas e nos educam para informar melhor. Os blogs poderiam ser um oásis para quem escreve, fora do seu horário de trabalho. Não estava sendo pra mim, pois não tenho trabalho. Não estava tendo retorno com o que fazia, e por tabela, o estímulo foi embora. Por isso as postagens aqui não eram diárias. Cansei de me esforçar para (quase) nada.

Portanto, declaro aqui o fim deste blog, pelo menos, no formato como você o conheceu. 

A partir de hoje, a atividade e a linguagem aqui serão mais livres, mas nem por isso menos corretas gramaticalmente, isso eu prometo e faço questão de preservar. Minha meta agora é encontrar meu estilo próprio, que me permita escrever com prazer, sem brigar e desrespeitar a técnica.

Da mesma forma que deveríamos sorrir só quando temos vontade, a Cajumanga postará material novo quando julgar legal e no momento certo. Se o prazer de escrever e a espontaneidade me forem recuperadas, a Cajumanga falará mais e melhor com o tempo.

Volto antes do que vocês imaginam.

4 comentários:

  1. que susto pensei que ia sair do ar indefinidamente :S

    ResponderExcluir
  2. Poxa. Agora que eu conheci você, Cajumanga?
    Fico no aguardo de receber o seu melhor, no momento certo pr você.

    Boa sorte. Muita luz!

    ResponderExcluir
  3. Tem todo meu apoio nessa nova fase deste blog que é simplesmente fantástico.

    ResponderExcluir
  4. Ahhh bom! Pq se tu acabar com ela eu acabo contigo :)

    ResponderExcluir