quinta-feira, 23 de setembro de 2010

VERSÃO ORIGINAL

Eu não sou uma pessoa tuntz-tuntz. Nunca fui um cara remix, apesar de apreciar os "zuuums", "póins" e "re-re-re-re-repetições" de algumas sílabas das letras cantadas nas experimentações da música eletrônica nos anos 80. O que é um remix, senão uma releitura daquilo que o seu autor original concebeu como sendo ideal?

Claro que uma idéia não precisa ser estática. Quanto mais contribuições ela tiver melhor. O que faz uma releitura ficar chata é a quantidade de sobreposições de elementos que acabam por abafar o que a ideia original tinha de bom. No final das contas, remixes terminam por deixar as idéias homogêneas. Se você parar para puxar de forma imediata a última lembrança que você tem sobre remix, verá que há um padrão geral, por mais detalhes que uma obra possa apresentar. No final das contas, por mais que um remix seja diferente de outro, eles terminam sendo a mesma coisa.


Da mesma forma são as pessoas remixes. É verdade que o ser humano é uma soma de tudo que ele aprendeu e viveu durante a sua caminhada na terra. Mas quantos de nós ainda conservam a sua essência?

Ultimamente tenho tido contato com pessoas que expressam a sua afeição por determinada coisa, e no mês seguinte já tratam de escondê-la e seguir a próxima grande onda, sob pena de atrair para si os olhares excludentes e perturbadores da grande massa homogênea e monocromática de opiniões. E devo confessar: Passo mal perto deles. Não me agrada a sua urgência em agradar ao mundo, em ser mais um que possua potencial para fazer parte de um status restrito e excludente. Há uma diferença muito grande entre integração e escalação.

Pessoas remixes acabam se tornando uma estrada plana, sem curvas, subidas, buracos e obstáculos a serem superados, sem paisagens diferentes a serem descobertas, sem particularidades que fariam toda a diferença. Elas abdicam de sua própria complexidade e perdem a oportunidade de atrair a atenção justamente por serem únicas. Vão absorvendo camadas e camadas de hábitos e visões que são entregues como uma empresa entrega embalgens à uma prateleira.

Mas nem todo remix escorrega na casca de banana da mesmice. Há músicas cujas releituras surpreendem aqueles que esperavam uma roupagem previsível. -Mas isso não é um remix - alguns podem dizer.

De tanto seguir os outros e esquecer a sua individualidade, o conceito de releitura e remix acabou se perdendo pelo caminho. Assim como há músicas que remixam uma idéia sem cair na mesmice, há pessoas cujas atitudes emprestam uma visão que enriquece a essência da idéia original de forma construtiva e plural.

Eu só aceito um remix que me torne plural, sem deixar de ser singular.

Por Juliano Mendes da Hora

Um comentário:

  1. Demorei a voltar aqui e de cara leio esse texto. Adorei o tom e a dança das palavras. A mensagem, então, nem se fala! Demais!

    ResponderExcluir