terça-feira, 25 de maio de 2010

ANDAR É PRECISO

No começo de abril, estive no Rio de Janeiro, para ir à Festa Ploc (festa de celebração dos anos 80). E lá no Rio, eu fiquei hospedada na casa de uma amiga que é cadeirante e que mora sozinha (ops! Com 4 gatos) ...pois é, muitas pessoas “normais” diriam que isso é impossível, mas ela se vira dentro do apartamento e na rua super bem. Quer dizer...”bem”, nem tanto.

Infelizmente, o que é realidade no Brasil todo é o descaso em relação à locomoção de pessoas com cadeiras de roda. Minha amiga mora perto do centro comercial do Rio de Janeiro e também perto da Central do Brasil. Para se atravessar a avenida (de 3 faixas) para a estação, não havia nenhuma rampa de acesso à cadeira dela. E várias rampas de acesso às cadeiras, por algumas calçadas da cidade, ou são muito íngremes ou tem um fosso no final, que impossibilita a descida ou subida de um cadeirante, quando este estiver andando sozinho pelas ruas.
O que será que falta para os engenheiros de tráfego notar que algo deve ser feito? Seria necessário que estes passassem um dia, em cima de uma cadeira de rodas, para notar o quanto é difícil andar com elas, e ainda mais numa estrutura de ruas e calçadas que não ajudam?

O que também tem atrapalhado a acessibilidade é a falta de consciência dos cidadãos em auxiliar as pessoas com dificuldades de locomoção. Não por acaso, quando comecei a escrever este texto, a Record exibiu uma reportagem sobre isso, como pessoas que estacionam em locais exclusivos para portadores de deficiência ou de idosos e/ou a falta de estrutura física em prédios para que os cadeirantes os acessem.

Mas o que não podemos esquecer é que, antes de os poderes adaptarem, de verdade, as ruas e acessos aos cadeirantes e outros portadores de dificuldades de locomoção, é que cada cidadão, como ser humano, pode (e deve) fazer sua parte. Pequenos gestos sempre fazem a diferença. Ajudar um deficiente visual a atravessar a rua, dando seu braço para guiá-lo; ajudar a inclinar uma cadeira de rodas; ceder seu lugar a um idoso ou a um portador de dificuldade de locomoção, no ônibus são alguns gestos que não vão fazer alguém perder tempo, mas vão fazer, certamente, várias pessoas ganharem mais cidadania e respeito.


A internet tem sido uma excelente “arma” de combate contra o preconceito e a favor da acessibilidade, física e social, dos portadores de alguma deficiência. Uma dessas iniciativas é o site “Assim como você”, (http://assimcomovoce.folha.blog.uol.com.br/) um blog organizado pelo jornalista Jairo Marques, que é cadeirante desde a infância, o que não o impediu de se tornar, hoje, um dos coordenadores de produção jornalística da Folha de São Paulo.

O blog é cercado de histórias revoltantes e emocionantes, que envolvem a acessibilidade e as conquistas dos portadores de deficiência. Histórias bonitas e que mostram, mais do que nunca, que a maior deficiência do mundo é o preconceito. E é ele quem deve ser discriminado.


Texto: Danyelle Lima

Fotos:
(1) Divulgação Agrale
(2) Maria Helena do Nascimento
.

3 comentários:

  1. É isso ai Dany... as cidades só serão acessíveis quando as pessoas se conscientizarem que TODAS as pessoas tem o direito de ir e vir... e que acessibilidade não é relacionada somente às pessoas com deficiência, mas a todas as pessoas... idosos, gestantes, mães com carrinhos de bebê, mulheres de salto ou quem esteja momentaneamente impossibilitado de se locomover "normalmente"... e infelizmente, a lei funcionará e a "conscientização" se concretizará, além das políticas públicas, é claro, quando começar a "doer" no bolso das pessoas... é multar quem para "rapidinho" na vaga reservada, multar os prédios públicos que não oferecem acessos aos cidadãos e nem preserva os passeios públicos... mas por enquanto, vamos nós, conscientes, fazendo nossa parte... trabalho de formiguinha... mas que com certeza vale a pena!!! Bjins

    ResponderExcluir
  2. Olá pessoal do "CAJUMANGA", tudo bem? Muito prazer!
    Gostei de ver minha foto (2) de calçada esburacada, (DSC-S730-00.797 // 10.11.2009 - 16:29 horas). Agradeço o espaço. Maria Helena do Nascimento/Cidadã-repórter - maria.helena.nascimento@oi.com.br / 81-9212.1767 (tim) 8571.6052 (oi).

    http://cidadao.dpnet.com.br/cidadao/viewtopic.php?f=33&t=5099&sid=713278bbf7f192580f18f475096af6c5

    ResponderExcluir
  3. Olá amigos, a situação dos portadores de necessidades especiais em relação a locomoção e acessibilidade é simplesmente vergonhosa. Estive recentemente em Brasília-DF e os problemas são os mesmos. Calçadas esburacadas e desniveladas são perigosas para todas as pessoas. Desde já agradeço visita e participação no meu simples Blog:
    www.mariahelenareporter.blogspot.com Deus os proteja hoje e sempre!

    ResponderExcluir