domingo, 25 de abril de 2010

RE-CONHEÇA LUCIANO NASSYN

Quando se fala sobre a história das paradas de sucesso das rádios brasileiras, o que passa pela sua cabeça ao bater à porta dos anos 80? Esta década nos apresentou uma infinidade de artistas e segmentos musicais. Foi um período bastante fértil para o pop, para o rock, para o samba, para a música regional e... para a música infantil. Não há como negar que a música infantil é uma das características mais marcantes dos anos 80. A prova disso é a presença de artistas deste segmento nos festivais retrôs que agora pipocam pelo país, resgatando os ídolos de toda uma geração que sente saudades e deseja voltar para aqueles tempos áureos.

É como se estivéssemos sendo acometidos pelo mesmo vírus da nostalgia que os nossos pais, que adoram monopolizar o som do carro e das festas de família, repetindo como um mantra: "A música da minha época é que era música de verdade!" Mas e a música de sua época cresceu, assim como você? É o caso de Luciano Nassyn, ex-integrante de uma das bandas infantis mais bem-sucedidads da década de 80: O Trem da Alegria.


Para quem não sabe, Luciano começou aos quatro anos de idade, trabalhando em comerciais para TV e shows infantis. Após participar do Festival Internacional da Criança, ingressou na BMG Ariola (hoje Sony Music), onde conheceria Patrícia Marx, com quem formou a dupla Patrícia e Luciano. O disco de estréia, "Clube da Criança", teve a participação de outros ícones da seara infantil oitentista: Xuxa e o palhaço Carequinha. É desta época o sucesso "É de chocolate". A partir deste disco, Patrícia e Luciano foram atração de vários programas de televisão e realizaram shows que atraíam um grande interesse do público. Mas e quando a adolescência batesse à porta de Luciano?




Em 1988, chegou o momento de dizer adeus ao Trem da Alegria. À partir daí, seguiu estudando guitarra, e continuou a compor. Em 1992, apresenta o seu álbum solo, que contou com a colaboração de artistas como Ed Wilson, Carlos Colla, Marcos Valle , Paulo Sérgio Valle, Chico Roque e Augusto César. Infelizmente, não foi o momento em que Luciano retornaria às paradas. Durante os anos seguintes, o cantor e compositor acumulou experiência em vários projetos, dentro e fora da música, chegando a trabalhar no comércio automobilístico e também de confecções. Ao ser perguntado à respeito desse período longe da mídia, Luciano revela uma postura simples e obstinada: "Nunca tive preconceitos quanto ao trabalho. Trabalhei como qualquer pessoa", diz, ao lembrar de suas empreitadas fora da música.



Luciano faz parte do seleto grupo que pôde experimentar o auge do modelo de produção adotado pelas grandes gravadoras, muito antes da pirataria e da internet. Com o Trem da Alegria, chegou a vender 10 milhões de cópias, e depois de crescido, aposta na independência para administrar a própria carreira, utilizando-se do empurrãozinho proporcionado pela tecnologia, que com a internet, promove um relacionamento entre artista e público, sem intermediários. Desta forma, Luciano obtém uma relação mais íntima e um feedback praticamente imediato. Em 2005, ele lançou seu site oficial e começou a figurar nos principais festivais oitentistas, como as famosas festas Ploc e a Trash 80. Tudo isto gerou um boca-a-boca espontâneo capitaneado pela saudade de seus fãs que lotam suas apresentações.

O seu perfil no MySpace foi uma das ferramentas digitais que mais contribuíram para o êxito de seu retorno: só para se ter uma idéia, em 2009, ele contabilizava 30 mil acessos diários de fãs, superando os acessos diários de nomes como U2, Coldplay, Alanis Morissette e Ben Harper. A simpatia e atenção com a qual retribui o seu público é a força motriz de sua nova fase: Seus fãs são unânimes em classificar o seu ídolo como uma pessoa generosa e carinhosa, que está em constante diálogo com o seu público pela internet. Atualmente o seu Twitter é palco de longas conversas descontraídas com fãs ao longo de todo o Brasil.



O seu atual trabalho é o álbum "Um Algo Além", gravado em 2007, acompanhado de Alexandre Paternostro, Levi J. e João Travassos, que compõem a sua banda, e Kayoh Norcia, amigo de infância com quem compõe uma parceria nas letras. Luciano assina todas as composições do disco, sendo 5 faixas em parcerias que desfiam um som consistente e maduro. É possível perceber o grau de experiência adquirido pelo artista ao escutar faixas como "Ver a Luz". O amadurecimento musical de Luciano Nassyn permitiu que ele desenvolvesse um tino bastante eficiente para transitar entre um estilo e outro. Afinal de contas, ele saiu da música infantil com tons pop enveredando por várias nuances, entr elas, o rock pesado.



Entre os destraques do disco "Um Algo Além", é possível encontrar momentos mais descontraídos como"Luar", onde Nassyn mostra que aprendeu direitinho as lições do mercado musical, trazendo uma melodia forte e empolgante e um refrão que gruda logo de cara. Já a canção "Eu não paro em casa mesmo", tem tudo para se tornar o hino dos notívagos, com uma pegada roqueira que conduz o ouvinte ao clima daquelas baladas onde as bandas fazem o público pular. "Viagem ao fundo do ego" é uma letra inteligente que fala de auto-conhecimento e de enfrentar os próprios medos, algo que Luciano desempenha com maestria ao longo das 10 faixas: Se lançar no mercado musical requer uma boa dose de talento, paciência e coragem de dar um passo adiante e expor a sua essência. E Luciano Nassyn possui tudo isto e muito mais.

Cercado de competentes instrumentistas e convidados especiais como Edu Negrão e Izzy Gordon, "Um Algo Além" foi produzido por Fernando Nunes e gravado e mixado por Leonardo Nakabayashi, que produziu "Dois a Rodar", um dos maiores sucessos da banda Ludov.


Se você tá a fim de faturar o CD "Um Algo Além", siga a gente no Twitter, e copie e cole a seguinte mensagem por lá:

"Eu quero ganhar o CD do Luciano Nassyn q a @cajumanga tá sorteando: http://bit.ly/cMdrbn - #musica #rock #brasil"

O resultado sai no dia 10 de Maio!
Boa Sorte!


Por Juliano Mendes da Hora

.

Um comentário:

  1. Luciano fez parte da minha infância e da infância de muita gente. De um tempo inocente em que música infantil era gostosa de ouvir. Merece voltar à mídia com muito sucesso.

    ResponderExcluir